Vinland Saga

Vinland Saga

Estúdio: Wit Studio
Direção: Yabuta Shuuhei
Roteiro: Seko Hiroshi, Ihara Kenta
Baseado em um mangá por Yukimura Makoto
Número de episódios: 24
Por mil anos, os vikings espalharam sua reputação como as famílias mais fortes, com sede de violência. Thorfinn, o filho de um dos maiores guerreiros vikings, passa sua infância em um campo de batalha, aprimorando suas habilidades, em sua jornada para cumprir sua vingança tão desejada por quem assassinou seu pai.

Vinland Saga é mais nova produção da Wit Studio, estúdio conhecido por ter um padrão cristalino em suas produções, equiparando-se até mesmo a estúdios gigantes como KyoAni e Production I.G em seus melhores projetos.

Embora a produção do mangaká Makoto Yukimura seja um cume difícil de se alcançar, a produção não decepciona: os personagens possuem uma boa textura e traços espessos, o desenho está bastante consistente e aprazível. O único aspecto visual que deixa a desejar é a computação gráfica utilizada nos mares e outros elementos “vivos” do background.

A direção é pouco presente, apoiando-se apenas em bons storyboards e no ótimo texto do material original. A apresentação audiovisual num geral é pouco memorável, não há sequências ou tomadas interessantes aqui, e se Kanata no Astra não tivesse problemas com personagens estereotipados e momentos cômicos fora de lugar, poderia facilmente tomar o lugar de Vinland como melhor anime da temporada, pois no quesito direção/produção é definitivamente mais avantajado.

Diferente do mangá, o anime toma uma abordagem cronológica pros eventos da história, uma decisão que não necessariamente fede ou cheira, mas é contaminada por decisões que tiram a sutileza do mangá quanto a caracterização de Thors. Muitas pessoas também apontaram como a abertura revela demais o enredo e sentiram “spoilados”. Num geral, o anime é uma clara diminuição narrativa em comparação ao material original. Porém, o nível de temporada é tão mediano que ainda sim Vinland Saga se destaca como umas das melhores estreias.