Sarazanmai

Sarazanmai

Estúdio: MAPPA; Lapin Track
Direção: Ikuhara Kunihiko ;Takeuchi Nobuyuki
Roteiro: Ikuhara Kunihiko
Anime original
Número de episódios: Indeterminado
Um dia, três alunos do segundo ano do ensino fundamental – Kazuki Yasaka, Toi Kuji e Enta Jinai – encontram uma criatura parecida com um kappa chamada Keppi, que se autoproclama herdeira do trono do Reino Kappa. Keppi leva à força o shirikodama dos estudantes (um órgão mítico que, segundo o folclore, é roubado pelo kappa através do ânus de uma pessoa) e eles são transformados em kappa. Keppi então os informa: “se vocês querem retornar ao seu antigo eu, vocês precisam se conectar “daquela maneira” e devem me trazer o shirikodama de zumbis.” Os três meninos serão capazes de se conectar “daquela maneira” e levar o shirikodama de zumbis? Ao mesmo tempo, dois policiais, Reo Niiboshi e Mabu Akutsu, tentam fazer alguma coisa na delegacia onde estão estacionados.

Sarazanmai é o mais novo projeto do renomado diretor Ikuhara Kunihiko, conhecido por seu estilo narrativo repleto de metáfora e simbolismos, tanto visualmente quanto na construção narrativa. Se você não está acostumado com seu estilo e a sinopse foi o suficiente para ter dar dor de cabeça, então se prepare para uma experiência bem confusa. E se você não gostou das obras passadas dele, não é essa que vai te fazer mudar de opinião.

Não que o primeiro episódio tenha sido tão esclarecedor para quem é fã do seu estilo, mas abraçar o seu surrealismo e ir montando as peças desse quebra cabeça que foi espalhado e parece misturar mais de uma caixa faz parte da experiência. Estética também é algo importante nas obras do Ikuhara, que se preocupa em contar uma história visualmente única – e certamente foi o que esse episódio entregou.

O tema aparentemente mais óbvio em Sarazanmai é a importância dos nos nossos laços com outras pessoas, bem como a fragilidade em mantê-los. Cada um dos três protagonista carrega uma “caixa” que é importante para manter algum laço, mas elas também carregam um segredo que pode desfazê-lo. O dilema em criar laços sustentados por mentira ou de ser completamente aberto com alguém parece tomar a forma de metáforas com kappas, criaturas mitológicas japonesas, e um tipo de alma presente no ânus que eles são capazes de roubar. E daí que entramos na loucura que vai ser Sarazanmai.

Minha estreia favorita da temporada, Sarazanmai marca o retorno de um dos meus diretores favoritos, com um estúdio bem competente como a MAPPA, assim como o Studio Pablo responsável pelos backgrounds, conseguindo transpor sua visão com excelentes visuais e uma ótima animação no geral.