Kono Oto Tomare!

Kono Oto Tomare!

Estúdio: Platinum Vision
Direção: Ryōma Mizuno
Roteiro: Ayumu Hisao
Baseado em um mangá por Sakura Amyuu
Número de episódios: Indeterminado
Desde a graduação dos membros veteranos do clube, Takezou acaba sendo o único membro do clube de “koto” (instrumento tradicional japonês de cordas). Agora que o novo ano escolar começou, Takezou terá que procurar novos membros no clube, ou ele será fechado. Do nada, um aluno pede para entrar no clube quase abandonado, mas por sua reputação como delinquente, Takezou fica receoso em deixá-lo entrar. Como ele irá lidar com esse membro e manter o clube vivo?

Kono Oto Tomare foca em um grupo escolar de “koto”, um instrumento tradicional japonês de cordas dedilhadas, mas como acontecem as apresentações com ele, os estilos individuais de tocá-lo e qualquer elemento sobre a história dele que pudesse fazer o público ter algum interesse não parece ter sido a preocupação do primeiro episódio.

Ao invés disso, o primeiro episódio foca nos dramas dos personagens. Kurata, o único membro do clube após seus colegas veteranos terem se formado, tem dificuldades em não só conseguir novos membros, mas também em manter a sala do clube sobre seu controle, tomada por delinquentes que se aproveitam da sua falta de iniciativa. Isso muda quando surge Kudo, um conhecido delinquente que tem um passado turbulento, que pede para entrar no clube, expulsando os delinquentes e limpando toda a bagunça deixada por eles no processo. Kurata, entretanto, com base em suas experiências passadas, não aceita que Kudo entre no clube e duvida de suas intenções.

Talvez essa parte seja a mais problemática do episódio todo. Kurata age de forma discriminatória contra Kudo mesmo depois dele ter provado que estava disposto a tocar koto e feito um trabalho muito melhor que ele em retomar o clube para a sua verdadeira função. Ele nunca tenta entender Kudo e apenas suporta a ideia que permeia o episódio de que todos o interpretam mal. E mesmo quando ele consegue entender isso, não é pela sua interação com ele e na construção de confiança, mas por um amigo próximo de Kudo ter contado sua história.

Assim, a relação dos dois não tem nenhum desenvolvimento inicial interessante, mas o anime coloca como se fosse caso. Por mais que Kurata se demonstre arrependido depois, não há uma genuína redenção durante o episódio que justifique suas ações e isso o torna tão raso quanto os que fizeram o mesmo contra Kudo. Bem como torna o drama de Kudo um tanto caricato, visto a forma como sempre tentam atacá-lo por mais que ele demonstre suas boas intenções. E para algo que passa boa parte do episódio estabelecendo a ideia de que Kudo  é outra pessoa e como ele sofre por ser perseguido por seu passado, usar de delinquentes que não vão ter desenvolvimento algum e são apenas ferramentas de enredo para criar situações indesejáveis torna a mensagem um tanto rasa.

Eu não sei o que esperar de Kono Oto Tomare como um anime sobre koto, mas o nível de produção também não impressiona muito para gerar alguma expectativa em ver as apresentações animadas. E certamente não vai ser um Chihayafuru se continuar com dramas tão forçados e se a relação entre os personagens for tão mal construída.