Cop Craft

Cop Craft

Estúdio: Millepensee
Direção: Itagaki Shin
Roteiro: Gatoh Shoji
Baseado em uma light novel por Gatoh Shoji (História), Murata Range (Arte)
Número de episódios: 12
15 anos atrás, um portal desconhecido do hiperespaço se abriu sobre o Pacífico. Além de, se encontra Reto Semaani, um estranho mundo alternativo onde vivem fadas e monstros. Surge então San Teresa City, uma cidade onde mais de dois milhões de imigrantes dos dois mundos vivem. Considera a cidade dos sonhos, ela carrega um lado sombrio: drogas, prostituição e tráfico de armas e seres fazem parte da rotina dela.  No meio disso, o detetive Kei Matoba e a cavaleira do mundo alternativo Tirana são obrigados a trabalharem juntos em um caso que pode ter graves consequências para ambos os mundos.

Cop Craft é um drama policial do mesmo autor de Full metal Panic!, em que o twist na fórmula é inserção de um mundo de seres mágicos (ou alien, como eles são referidos) na nossa sociedade. Numa dinâmica de buddy cop em que temos personagens representantes dos dois mundos, há bastante potencial a ser explorado no que foi apresentado no primeiro episódio.

A ideia de uma sociedade contemporânea em que humanos convivem com seres mágicos não é inovadora — nem mesmo com a dinâmica de buddy cop, pegando o exemplo recente de Bright —, mas de toda forma é um conceito intrigante (e que pode ser bem melhor trabalhado do que o exemplo citado). Diferente do recente Double Decker, que se interessava mais em parodiar séries policiais, Cop Craft abraça mais os elementos dramáticos típicos delas, num tom mais sombrio e violento.  Ao mesmo tempo, a relação entre a dupla de protagonistas Kei, o detetive veterano que não segue estritamente a lei para resolver casos, e Tirana, a denominada cavaleira que veio do mundo mágico, que possui um conhecimento bem limitado sobre a sociedade dos humanos e um forte senso de justiça, cria rotinas cômicas que balanceiam o drama.

O nível de produção parece bem decente, com um visual interessante e consistente. Difícil dizer se é a magia do primeiro episódio, mas o histórico do estúdio não é muito promissor. Apenas com Teekyuu e a última adaptação de Berserk para TV no currículo — inclusive todas dirigidas pelo mesmo diretor —, sendo um uma série curta com um estilo de animação estilizado e barato, e o outro um dos maiores desastres dos últimos anos. Dedos cruzados para o pior não acontecer aqui.

Do que entregou até agora, Cop Craft promete ser um bom anime investigativo, com a dramaticidade que se espera, e um elemento de choque de cultura que traz uma dinâmica interessante.