COMO O ROMANCE DE SHINGEKI NO BAHAMUT ESTRAGA UMA HISTÓRIA

COMO O ROMANCE DE SHINGEKI NO BAHAMUT ESTRAGA UMA HISTÓRIA

Não é novidade que um romance mal construído pode atrapalhar o potencial de uma história. Ainda assim, muitas vezes é possível ignorar o aspecto, dependendo do quanto te incomoda ou não, ou até mesmo gostar dele, apesar de perceber os problemas. Quando uma história aparece na qual tal desenvolvimento é tão evidentemente mal trabalhado que acaba atrapalhando a própria obra, é curioso de analisar. E para boa parte das pessoas assistindo os animes dessa temporada, Shingeki no Bahamut: Virgin Soul é exatamente isso.

Antes de continuar, um alerta: o texto possui spoilers tanto da primeira temporada de Shingeki no Bahamut quanto da segunda temporada até o episódio em que foi escrito, episódio 18, após uma pausa de duas semanas que provavelmente vai afetar seu cronograma.

SPOILERS

Shingeki no Bahamut: Genesis foi exibido em 2014 e animado pelo estúdio Mappa. Sendo adaptação de um mobage que ninguém se dava ao trabalho de jogar desde que jogos como Granblue Fantasy e Fate Go foram criados, ninguém tinha muita esperança na adaptação. Mas a boa animação, personagens originais e clima épico acabou transformando a animação em um sucesso que provavelmente nem sua desenvolvedora podia imaginar. O sucesso deu origem a dois projetos seguindo a mesma série, Manaria Friends e Virgin Soul. Manaria Friends infelizmente foi “temporariamente” adiado, provavelmente para a eternidade. Virgin Soul é a sequência direta sendo exibida atualmente.

Mas antes de falar de Virgin Soul, quero compartilhar uma opinião pouco popular sobre Genesis. Apesar da série ser adorada como uma obra prima por muitos, a verdade é que houve muito potencial desperdiçado, particularmente em sua segunda metade. Não vou negar que a primeira metade da história é excelente, e diferente de aventuras no estilo que estamos acostumados. Mas a série logo cai para uma sequência de clichês e personagens sendo destruídos por puro plot device que se fosse assim desde o começo muito provavelmente seria considerada medíocre. E um dos fatores que leva a isso é o relacionamento do protagonista Favaro com a heroína Amira. Favaro a princípio é um anti-herói egoísta que deseja se livrar da garota demônio presa a ele, nem que para isso precise matá-la. Um personagem assim é difícil de trabalhar como protagonista, e a maioria das história simplesmente colocam algum motivo que o faz ficar totalmente fora de personagem quando é preciso. Naturalmente o mesmo acontece com nosso herói, e por qual motivo? Amor é claro. Porque naturalmente como ele é um protagonista e Amara é a heroína, é preciso de um clima romântico, mesmo que não faça sentido. Como você se apaixona por alguém que parece uma criança e você estava tentando matar dias antes é um mistério, mas não é a primeira vez que acontece. A parte mais ultrajante é o fato que isso é usado para dar uma resolução clichê ao invés de achar um caminho mais interessante para a história. E naturalmente, todo o final de Genesis é clichê e previsível. Ok, sei que é uma opinião popular, mas é importante porque nos leva a Virgin Soul.

A esperada segunda temporada de Shingeki no Bahamut foi anunciada com uma nova protagonista, o que considerando o rumo da primeira parecia uma boa ideia. Os trailers demonstravam um foco em desenvolvimento romântico, mas sem tirar o foco da ação épica da primeira temporada, o que poderia ser interessante. De fato, Nina parece uma protagonista muito mais que Favaro. Não seria muito difícil criar uma heroína que o público simpatizasse sem precisar desconstruir totalmente sua personagem. Afinal, trata-se de uma alegre jovem garota que se transforma em um poderoso dragão toda vez que vê um jovem atraente. Por um tempo o anime até mesmo pareceu uma espécie de reverse harem, com Nina entrando em diversas situações com vários personagens masculinos diferentes. Mas então o romance principal entra em cena, e a série novamente começa a destruir um começo promissor, dessa vez não por um desenvolvimento clichê, mas por uma situação incompreensível.

Como começar? Se o desenvolvimento romântico entre Favaro e Amira já era forçado, Virgin Soul é ainda pior, considerando que Nina se apaixona por causa de…uma luta de braço? Bom, é claro que não. É “amor a primeira vista”, mas conhecido como “nós não queremos nos dar ao trabalho de escrever”. Ei, é um jovem rapaz atraente e uma mulher atraente e eles se viram. É o suficiente né? Não precisa explicar mais nada. Claro que isso é extremamente comum, não somente em animes, mas basicamente em todas as mídias que compõem histórias. Então o que torna Virgin Soul tão especial? Na maioria das situações podemos ignorar o romance idiota e focar nas partes interessantes da história. Bom, que tal o fato de que Nina se apaixona pelo vilão? Não estamos falando de um anti herói como Favaro aqui. Charioce é o rei dos humanos que escraviza toda uma raça e planeja o genocídio de outra. Que coloca seus opositores em uma arena para lutar até a morte enquanto ele observa. A esse ponto isso ainda parece um desenvolvimento interessante, afinal Nina não sabe que se apaixonou por um tirano que fez sofrer basicamente todas as pessoas próximas dela. Como será o desenvolvimento quando ela finalmente descobrir?! Bom, a resposta é, ela ainda está apaixonada por ele. Veja bem, o cara que a prendeu numa prisão, com trabalho forçado, tentou matá-la e ameaçou basicamente todos seus amigos. Mas ela não consegue odiar ele porque, ei, ele é bonito e dança bem.

Fica ainda pior quando vemos Nina se encontrando com as almas atormentadas das vítimas de Charioce. Qual sua reação? “Eu não posso aceitar que você seja odiado assim!”. Para entender o problema dessa cena, vamos colocar em outro contexto. Imagine um filme no qual a protagonista se apaixona por Hitler. Em um momento da história, ela se encontra em uma comunidade de judeus onde todos odeiam o ditador. Nesse momento ela dispara a frase: “Eu não aceito que vocês odeiem ele!”. Não seria o suficiente para odiar a personagem? O objetivo de Virgin Soul é nos fazer odiar Nina? Ah, mas talvez, podemos pensar, talvez a ideia é que ela está sendo iludida por ele e uma hora vai perceber isso. Bom, vamos ignorar o fato que estão construindo a protagonista como uma hipócrita que defende um ditador genocida. Talvez seja tudo parte do plano. Exceto pelo fato de que ele próprio está tentando vender uma história de romance. A começar pelo novo ending, na qual nos mostra como um conto de fadas romântico trágico entre ambos os personagens. Além disso, um episódio inteiro é dado para mostrar um encontro romântico entre o casal quando Nina escapa do grupo que está planejando matar seu namorado e se encontra com ele. A cena deixa óbvio a intenção do anime de colocar Charioce como um anti-herói com passado trágico que está tentando fazer justiça. Mas não é convincente. Anti-heróis não são ditadores sádicos que escravizam outras espécies e fazem seus inimigos duelar até a morte em um coliseu. E, sinceramente, Nina ainda confia nele porque “ele é tão gentil comigo”. Sabe, Hitler amava alguém. A maioria dos vilões, seja real ou fictício possui alguém com quem se importa. Charioce tratar bem uma garota bonita por quem se apaixonou não diz nada sobre seu carácter. Assim como jogar bola com meninos demônios não tira o fato que ele é a principal causa de seu sofrimento.

“E foi assim que eu matei seus pais”

Após esse episódio ainda temos Nina e Favaro sendo completos hipócritas. Nina sendo a garota mais alegre do mundo em volta de tanto sofrimento por estar apaixonada pelo principal causador de tudo. É difícil torcer para ela agora, e é supostamente nossa heroína.

Não seria difícil colocar uma história que fizesse sentido. Colocar Azazel como o interesse romântico seria interessante, afinal ele teve muito mais envolvimento com ela no começo do anime do que Charioce. Ainda usaria um “bad boy” que provavelmente tem mais chance de ser aceito. Charioce como interesse romântico podia funcionar se ele não fosse um completo psicopata, e se o anime tentasse desenvolver essa relação de uma forma que não seja “ele é um homem bonito, eu amo ele porque ele é gentil…exceto quando ele me joga na prisão”. E é assim que muitas vezes percebemos como plot romântico acabam falhos. Não há um desenvolvimento e uma preocupação em trabalhar o casal. Além disso, todo o drama em volta disso pinta a própria protagonista como errada. Devemos aceitar que a visão dela é a correta somente porque o roteiro nos manda. Charioce seria o vilão sem nenhuma redenção facilmente se o roteiro não tentasse nos convencer do contrário.

Adicionando que Jeanne e Sofiel é outro relacionamento que faria sentido, mas nunca vai acontecer porque… bom, é óbvio.

Posto isso sabendo do risco de não levarem meus argumentos a sério

Talvez seria uma boa ideia esperar mais algumas semanas antes de falar sobre, porque o roteiro ainda pode ter umas surpresas. Mas duvido que colocará a relação como algo menos que positivo considerando todo o trabalha meta que teve para nos convencer que essa é uma linda história de amor. Também só queria usar para ilustrar como um romance mal feito pode estragar uma obra que não tem, teoricamente, romance como gênero principal. Eu tenho teorias de como a história vai prosseguir daqui pra frente, e nenhuma é boa. Tenho certeza que muitas pessoas realmente acham que isso é uma linda história de romance, porém. E, bom, talvez eu possa ter feito você pensar um pouco na situação.

Esse só não é a pior história de romance passando nessa temporada de anime porque Netsuzou Trap existe.

Raizon não sabe o que escrever aqui, então essa descrição provisória provavelmente é a definitiva.

Deixe um comentário

3 Comentários em "COMO O ROMANCE DE SHINGEKI NO BAHAMUT ESTRAGA UMA HISTÓRIA"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
Lucas Veira
Visitante
Colocar aqui o que coloquei no facebook: Problema é que não tem desenvolvimento nenhuma pela parte do Rei, uma hora ele tá tacando magia atômica e causando um genocídio nos Deuses e Demônios, na outra tá beijando a Nina e dizendo que tudo estava certo (no coração dele) antes dela aparecer. Rei foi de um genocida escravista para um adolescente apaixonado em 5 minutos de episódio. Se quisessem fazer isso que pelo menos desenvolvessem melhor. “Senhor, o Rei acabou de tacar uma Fat Man II nos deuses e arregaçou o balaio todo, o que faremos agora?” “Coloca ele com a… Read more »
Lara
Visitante

Só queria saber se vai ocorrer uma terceira temporada..??

Overkilledred
Admin

Difícil dizer. Existiam planos anteriores a Virgin Soul em fazer outra série spin-off chamada Manaria Friends, mas foi adiado e até hoje não se tem mais nenhum notícia sobre. Mas acho que é provável afirmar que não vai ter uma continuação direta.

wpDiscuz
%d blogueiros gostam disto: