2016 IN A BOX: OS MELHORES (E PIORES) ANIMES DO ANO

A melhor coisa do final do ano é ter conteúdo para um post fazendo uma lista genérica das melhores e piores coisas que rolaram nele. Ninguém realmente se surpreende ao abrir um vídeo listando as melhores séries de 2016, mas às vezes é interessante ter essa retrospectiva. É difícil lembrar tudo que aconteceu no período de um ano, tudo que saiu nele e tudo que teve algum mérito ou não. E 2016 teve animes que merecem ser recordados por muito tempo: ano em que tivemos um anime de patinação artística no gelo e scuba diving, vimos Morioh-cho animada, o Mob alcançar 100% de sakuga, animes que provaram, não através de lavagem cerebral, como adaptações de jogos são um erro e outro anime ruim da Okada Mari. Algumas coisas são tradições, outras surpresas e outras decepções. Mas sendo bom ou ruim, tudo que gerar discussões vai ser lembrado, por mais dolorido que seja reconhecer. Então aqui vai uma listagem dos melhores e piores animes do ano!


É tão mais fácil avaliar animes quando você inventa uma categoria aleatória para eles. Afinal, tudo é bem subjetivo para categorizar de forma padrão. E esse post acaba sendo um bom desabafo.


MELHOR ANIME SOBRE PATINAÇÃO ARTÍSTICA NO GELO
Yuri!!! on Ice

Porque somos muito maturos. Mas sério, Yuri!!! on Ice foi um fenômeno interessante de acompanhar pela forma como ele foi bem recebido pelos patinadores profissionais. Anime é uma mídia com muita variedade, mas com um público muito pequeno. É muito legal ver quando essas convenções sociais são quebradas e alguns títulos são abraçados por outras comunidades. Fora isso, foi um bom anime e entregou tudo que prometeu. Ou, com aquela cena pós-créditos, talvez até demais.


MELHOR ANIME QUE O EPISÓDIO FINAL MUDA DE TOM E ACABA DA FORMA MAIS DEPRESSIVA POSSÍVEL
Kuma Miko

O anime de Kuma Miko teve suas liberdades. Não dá pra negar que foi uma boa adaptação por grande parte, com cenas bem animadas que adicionavam ao humor da série. Mas o final, que é filler, foi um desastre total, ao ponto que afundou de vez as vendas do anime e o responsável teve que deletar sua conta no twitter. O anime, para quem não sabe, é sobre uma garota que é uma miko (um tipo de sacerdotisa), que deve permanecer na sua vila por uma tradição. Boa parte do humor da série vem do fato dela nunca ter ido a uma cidade grande e não conhecer nada sobre suas tecnologias, o que faz com que ela anseie em um dia finalmente sair de sua vila. Mas antes precisa superar sua ansiedade social. Daí vem o problema: o final simplesmente coloca de forma positiva o fato dela não lutar contra isso e parece que o anime volta ao zero, só que agora com ela dez vezes pior. O QUE ACONTECEU?


MELHOR ANIME SOBRE LAVAGEM CEREBRAL
Danganronpa 3

Não tem muito o que falar sobre Danganronpa 3 que já não foi dito aqui, mas com certeza foi uma das maiores decepções do ano. Como grande fã dos jogos, a resolução que o anime propôs para ambos os jogos foi absurda, sem sentido, ofensiva e completamente desrespeitosa. Felizmente o próximo jogo da franquia vai passar reto, então não chegou a afetar o que seria a mídia principal. Ainda sim, como eu odeio o fato disso existir.


MELHOR VILÃO DO ANO
Kira Yoshikage (Diamond is Unbreakable)

Vilões de Jojo são sempre marcantes: seja um vampiro centenário megalomaníaco que tortura e mata por pura crueldade; um ser ancestral que salva cachorros e evita pisar em plantas ao mesmo tempo que busca se tornar o ser supremo, ou um serial killer de uma cidadezinha do interior do Japão que queria viver uma vida pacifica como uma planta. Personagens psicopatas geralmente são charmosos pela forma como são, acima de tudo, humanos. Eles se preocupam com coisas minusculas, como a meia do sapato estar ao contrário ou  o botão de um terno solto, e tentam viver uma vida simples. Exceto que essa vida simples implica em impulsos psicóticos. Kira queria apenas viver uma vida como qualquer outra, mas seu hobby não tão saudável acabou sendo um empecilho maior do que ele imaginava. É difícil não torcer para o vilão quando é perceptível que ele age de uma forma muito humana, por mais cruel que ele seja. E como não eleger ele o melhor vilão depois do que ele fez na opening?


MELHOR SEQUÊNCIA DE ANIME QUE SÓ EU ME IMPORTO
Durarara!!x2 Ketsu

Cinco anos depois da sua primeira temporada, Durarara!! retornou com todo o seu charme e personagens excêntricos e carismáticos. Mas a vida segue, novos títulos surgem, as pessoas mudam e reavaliam suas opiniões. Muita gente já tinha superado a série, ou simplesmente não se sentiam mais incitados em acompanhar tantos personagens e subplots que, na estrutura do anime, pouco importavam no final. O interessante da série é justamente como as situações gradualmente escalam para algo bagunçado e sem controle, de forma quase circense. Eu cheguei a acompanhar as novels com o fim do anime e mantive um contato muito próximo com a série em fóruns e afins, então não foi um choque voltar a acompanhar por anime. É uma série que vou continuar adorando mesmo que seja o único nesse barco afundado.


ANIME QUE FOI LEGAL MAS ESTRANHAMENTE MEDIANO
Drifters

Drifters não é ruim, mas estranhamente não parece bom. A estética é legal, os personagens interessantes, a estrutura do mundo e como os Drifters se adaptam e agem de formas diferentes é um conceito legal, e as estratégias de guerra são bacanas. Até mesmo o vilão e a suposta ideia de quem seja é interessante. Mas Drifters é simplesmente ok. Talvez seja pelo fato da ação falar mais alto que o desenvolvimento de personagens, ou como o humor sempre quebra a dramaticidade das cenas de forma exagerada – ou talvez pelo fato de todo episódio ser previsível e direto. Não há, de fato, nenhuma adversidade para os protagonistas, e tudo que eles falam que vão fazer no episódio seguinte, bem, eles fazem. E é isso. Tudo parece automático e sem peso. Parece até que foi balanceado para ser apenas mediano.


FILME QUE DEVERIA SER UM SÓ MAS FOI DIVIDIDO EM TRÊS
Kizumonogatari I: Tekketsu-Hen

O bom é saber que aqueles trailers sem falas e com uma animação bem abstrata acabaram sendo uma descrição bem precisa do que são os filmes. E talvez essa não seja a forma mais esperta de adaptar uma obra do Nisio Isin. Os filmes se destacam pela animação, mas são tediosos e sem o charme da novel original ou de outros Monogataris, e não funcionam de forma alguma como filmes solos. A Aniplex e sua ganância tem sua culpa, mas a Shaft foi longe demais com esse minimalismo barato. O que é bem curioso, pois o próprio Shinbou (diretor da maioria dos Monogataris) fala que a ideia por trás dos animes da série é “adaptar palavras”,  o que condiz com o estilo de escrita do Nisio com diálogos longos e é onde a série brilhava nas outras adaptações.


MELHOR CURTA
Bernard-jou Iwaku.

Talvez a maior hidden gem dessa temporada, Bernard-jou me surpreendeu bastante pela forma como seu humor era sagaz e invocativo. Ao zombar de leitores ávidos, ele consegue trazer muita informação sobre o mundo literário e seu humor é quase como se fosse uma série de piadas internas de tão peculiar. A relação entre as protagonistas é divertidas e faz com que a série tenha mais dimensão do que apenas running gags.


MELHOR ANIME DO ANO
Mob Psycho 100

É, bom, nenhuma novidade aqui. Mob é um anime que funciona de tantas formas que dificilmente alguém negaria seu mérito. Sua premissa é boa, mas sua execução é excelente, o que é elevado ainda mais pelo trabalho fantástico de animação. O estúdio Bones consegue impactar cada momento chave, cada vez que o protagonista alcança seus 100% em determinada emoção e simplesmente explode da forma mais extravagante e pictoresca possível. O que começa de forma mais cômica e escrachada, se torna um drama sobre pessoas com poderes psíquicos e como isso afeta a relação deles com a sociedade ao seu redor: se vão ficar acima de todos ou aceitar que aquilo não os faz especial. E esse é o aspecto mais importante do anime. Por mais vantajoso que seja ter poderes, todos ainda possuem responsabilidades como membros de uma sociedade e precisam encarar a realidade como meros seres humanos; não viver com rivalidade entre eles ou como uma organização do mal de um shounen.

E por falar nele…


MELHOR SAKUGA DO ANO

O anime foi basicamente um showcase de sakuga para carregar uma história que já era boa por si só, mesmo nos traços amadores do ONE, mas essa cena se destaca. Feita por Hakuyu Go (um dos principais animadores do anime e com certeza um dos mais talentosos atualmente) e Naoki Miyajima, a movimentação frenética, as transições e cortes dinâmicos, que dão peso além do nível de detalhamento do background, tornam essa cena fantástica.


Eu sou péssimo para avaliar o que é melhor ou pior. Sou péssimo para fazer tops e essas coisas. Então isso provavelmente vai ser mais uma retrospectiva de coisas que marcaram animes em 2016 do que qualquer coisa. E se as escolhas parecem muito subjetivas, é porque são. Mas ei, pelo menos estou sendo sincero.


MELHOR ANIME DO ANO
Flip Flappers

Mas começando logo pelo melhor anime?! Onde está o suspense?! Bom, sinceramente, isso não é o Oscar. E pensando melhor, jogando o prêmio principal para o começo sem dar tempo de mostrar por dicas qual seria o vencedor parece mais impactante. Eu não sei muito o que falar sobre o anime que já não tenha falado no meu preview do primeiro episódio. Basicamente, a qualidade se manteve até o fim e o anime é incrível. Infelizmente não recebeu a atenção que merece tanto no Japão quanto no ocidente. Embora possua potencial para ser um clássico que vai ser lembrado por muito tempo e sempre atrair novos fãs.

E aproveitando, na próxima categoria…


MELHOR CASAL
Cocona e Papika


E esse é fácil. Se Flip Flappers é o melhor anime de 2016, com certeza Cocona e Papika são o melhor casal. Afinal, o anime é sobre o relacionamento entre elas. Praticamente todo episódio existe para trabalhar o relacionamento entre as duas. Teoricamente a história é sobre Cocona descobrindo o que esperar da vida, sua independência e seu futuro. Mas tudo isso está ligado ao seu relacionamento com Papika. É literalmente o clichê de: “se você está com a pessoa que ama, o mundo é mais bonito e colorido”. Mas é isso que deixa a relação entre elas mais significante.


CENA MAIS ROMÂNTICA
Um Mundo Ideal sob uma Vassoura – Izetta

Com Cocona e Papika como melhor casal de 2016, faria sentido usar uma cena de Flip Flappers aqui. E realmente há várias cenas que podia usar aqui. Mas sinceramente, a cena de Fine e Izetta em um vôo romântico em cima de uma vassoura é marcante demais para ignorar. A comparação com a cena clássica do filme de Aladdin é inevitável, e inclusive, já temos até uma montagem demonstrando isso:


ANIME ???? DO ANO
Mayoiga

Sinceramente, eu ia escrever essa categoria como “pior anime”, mas acho que “????” faz mais sentido. Porque é essa a minha reação quando penso que alguém escreveu o roteiro para isso, alguém olhou para o storyboard e pensou: “ok, isso está bom”. E o pior? Isso foi feito com ajuda de doação de fãs japoneses numa espécie de kickstarter japonês. Ou seja, pessoas na verdade doaram dinheiro para ajudar a criar essa monstruosidade. Tipo…???


MELHOR E PIOR LONGA
Selector Destructed WIXOSS Movie

Sinceramente, eu não vi muitos longa metragem de anime esse ano (e filmes em geral). Eu assisti o filme de Girls und Panzer que definitivamente é melhor que o de Wixoss, mas é de 2015, então não sei se contaria. De toda forma, esse não é o melhor longa metragem. É o pior…embora também melhor. Não porque foi o único que vi, mas porque tenho essa reação para praticamente essa série inteira. O filme é uma piada total. Somente uma desculpa para enfiar cenas no meio de uma recapitulação que devia ter sido da série principal. É uma piada, e no entanto…o filme é também lindo. Sei lá, não sei bem porque coloquei ele aqui, mas com certeza foi uma das coisas que me marcou no ano, então é o melhor e pior filme do ano.


MELHOR SEQUÊNCIA
Prisma Illya 3rei

Agora, essa é uma escolha curiosa. Sinceramente, se estiver falando de melhor anime que é sequência de outro, tem escolhas melhores. Hibike Euphonium e Love Live Sunshine, por exemplo. Mas eu não estou avaliando a qualidade do anime em si, mas o fato que é uma sequência. Hibike e Love Live são ótimos, mas estão no nível de suas temporadas passadas. Illya por outro lado… A primeira temporada é boa, a segunda é meio sem graça, mas a terceira é ótima. Com uma história objetiva, personagens cativantes, e, mais importante, ótimo humor. Essa temporada realmente brilha mais que as anteriores. Dessa forma, o aumento de qualidade é notável. Então, no quesito sequência, acredito ter sido a melhor evolução apresentada nesse ano.


A DECEPÇÃO QUE AS PESSOAS NA VERDADE GOSTARAM
Koutetsujou no Kabaneri

A maior decepção do ano na verdade é um anime sobre lavagem cerebral que alguém já está fazendo o favor de criticar o suficiente nesse blog, e só digo que concordo com ele. Talvez Vivid Strike era outra possibilidade, mas difícil se decepcionar com algo que nem se espera nada. E pensando melhor, acho que se decepcionar com algo e notar que as pessoas na verdade gostaram daquilo é duplamente decepcionante. Kabaneri tinha potencial para ser um dos melhores animes do ano. Da mesma equipe por trás do já sucesso Shingeki no Kyojin (Attack on Titan), uma ótima animação e um estilo diferente. Infelizmente, tudo isso se perde logo num dos animes de ação mais tediosos já feito, cheio de furos e clichê. Além de terem matado o potencial da Mumei em ser uma boa personagem com lavagem cerebral (palavra chave de animes em 2016). E ainda vai ter uma continuação…Bom, que seja.


CGDCT DO ANO
New Game

Para quem não entendeu a sigla: “Cute Girls Doing Cute Things” é basicamente como são chamados animes que por costume pessoas erroneamente chamam somente de “moe”. Basicamente, animes de garotas fofinhas fazendo coisas fofinhas. Considerando que geralmente vejo tudo nesse estilo, nada mais justo do que citar o melhor. E New Game provavelmente seria o escolhido para a lista da maioria que curte o estilo. Foi provavelmente o que mais teve sucesso no ano e o melhor feito. Apesar de ser meio injusto a escolha considerando que eu já gostava do título na época que era somente mangá.


IDOL DO ANO
Yozora Kasumi (Aikatsu Stars)

Outro gênero com vários títulos em um ano: anime de idols. E dentre tantas personagens é difícil eleger uma melhor. O design da Yozora é incrível porém. E para ajudar, os episódios delas são alguns dos melhores animados. Além de ter a melhor personalidade entre as personagens, tanto principais, quanto secundárias (e o fato de amar garotas é só parte do motivo). Infelizmente como é uma das personagens que agem como mentoras das protagonistas, e não sendo a mentora da protagonista principal, ela não recebe tanta atenção no anime em si. Mas talvez por isso os episódios que focam nela conseguem ser tão especiais.


MELHOR ANIME DOS ANOS 90
Koukaku no Pandora

Koukaku no Pandora não parece algo que seria feito em 2016. Tanto o estilo, o humor, e a animação fraca parecem coisas de animes de 20 anos atrás. Mas é provavelmente esse charme clássico que faz ele tão marcante. Embora esse também é o motivo que a maioria das pessoas não vai nem considerar assisti-lo, o que é entendível. Porém, para aqueles que não se incomodaram com o estilo, esse anime que é basicamente Ghost in the Shell com garotas fofas (é na verdade uma ideia que o próprio criador de Ghost in the Shell criou), foi um dos marcos do ano.


PEDÓFILO DO ANO
Satoru Fujinuma (Boku dake ga Inai Machi)

Eu só gostaria de colocar isso para lembrar o quão desconfortável o clima de romance entre Satoru e Kayo foi. Para um anime teoricamente sério, essa relação entre eles não fez nenhum sentido.


YURIBAIT DO ANO
HibikeEuphonium 2

É, não resisti. Sinto muito. Mas ei, pelo menos Kumiko terminou com uma garota melhor, certo?


Amo anime, mas existe algo que amo ainda mais. Ranquear as coisas por categorias aleatórias! Mentira, acho que prefiro anime, mas essas são algumas das minhas opiniões precipitadas sobre o que vi em 2016.


MELHOR ABERTURA DO ANO
Diamond is Unbreakable OP 3 – Great Days

Direção e storyboard de Yasufumi Soejima, famoso por suas aberturas sequenciais e com transições criativas (Inu x Boku SS e Inu to Hasami wa Tsukaiyou, por exemplo).  Essa OP de Jojo é a que melhor representa esse arco da série, com partes alegres e upbeat, mas com um certo mal espreitando.  A união da música, os vários cuts interessantes, a bela arte e a mudança que ocorre na abertura após o início dos episódios finais fazem dessa uma das mais marcantes openings do ano e minha preferida.


MELHOR ENCERRAMENTO DO ANO
Aikatsu Stars! ED 2 – So Beautiful Story

Combo de direção e storyboard de Kyougoku Takahiko, famoso por ser o diretor do Love Live original, e a volta da belíssima arte e animação de Ishikawa Kayoko, das ED do Aikatsu original. Esse encerramento mescla muito bem com a mudança que acontece na história em Stars, mas sem perder a fantasia e a beleza características da série. Uma estética original que é usada perfeitamente com a música. Definitivamente foi o encerramento que mais me deixou em conflito em 2016. De querer apreciar de novo de tão bom, mas triste com o fim de outro episódio.


SPIN-OFFS MAIS DESNECESSÁRIOS DO ANO
Vivid Strike! e Handa-kun

Enquanto Vivid Strike remove magia completamente de uma série mahou shoujo e apaga as presenças das personagens originais da franquia, Handa-kun tenta ao máximo me convencer que Barakamon foi apenas sorte e que na verdade Sei Handa é um personagem ruim. Vivid tenta desvincular Nanoha da subfranquia bizarra de MMA entre garotinhas, mas sem jogar fora completamente o mundo e os personagens antigos. É um anime medíocre e esquecível, que por motivos financeiros é infelizmente sequel de uma série que gosto. Handa-kun com seu humor falho e forçado, uma direção antiquada e sem graça da Diomedea (substituindo a boa Kinema Citrus de Barakamon) e mudança dos dubladores originais dos personagens ainda de alguma forma consegue ser tão desnecessário quanto. De alguma forma não consigo decidir qual desgostei mais e dividirei esse grande prêmio entre os dois.


MELHOR HENSHIN DO ANO
Mahoutsukai Precure – Ruby

Cure Up Ra Pa Pa! Ruby! É difícil falar de Precure hoje sem falar de Nishiki Itaoka. Idolatrado e amado por fãs da franquia por sua animação e sua paixão pela série. Animador desse henshin cheio de dinamismo, fogo, fogo e mais fogo aliado a uma das melhores músicas da OST de Maho. É impossível não escolher como a melhor e mais empolgante transformação do ano, ao menos para um fã de Precure como eu.


MELHOR SLICE OF LIFE QUE NINGUÉM LIGOU
Sansha Sanyou

É triste ver tão pouco interesse no cotidiano de uma ex ojou-sama que começa a viver de pedaços de pão e promoções relâmpago de supermercados populares. Feito pela Doga Kobo, um dos meus estúdios preferidos atuais, Sansha Sanyou é estupidamente colorido, tem uma animação cheia de belos borrões e um humor único que ajudou a orientar muitos dos títulos SoL/Manga Time Kirara de sucesso mais atuais (o mangá é de 2003!). Sim, talvez realmente New Game! seja o melhor slice of life de menina de cabelo roxo da Doga Kobo do ano, mas Youko-sama, Teru-chan e Futaba-san merecem mais destaque pelo seu cínico humor fofo.


MELHOR ANIME DE ESPORTE
Shakunetsu no Takkyuu Musume

Sei que muitos podem duvidar da qualidade de um anime pela sua arte. Takkyuu Musume não chamou a atenção do público pela sua arte e parecia ser apenas mais um anime fanservice que utilizaria do esporte para colocar as garotas em situações sugestivas. Não que não exista isso em Takkyuu Musume (não tanto quanto achei que teria), mas isso não anula a qualidade que existe nessa gema escondida. Com uma animação mais estática que depende do bom uso dos efeitos sonoros, ângulos de câmera e distorções, acho que foi o anime do ano que mais bem conseguiu representar seu esporte. É um ardente conto sobre meninas que jogam ping pong, como diz o título. Seu calor, seus rally empolgantes e a capacidade de ser um pouco Saki, mas sem perder sua identidade, fizeram dessa minha série preferida de um gênero tão disputado.


MELHOR TRABALHO DE BACKGROUND E AMBIENTAÇÃO
Sangatsu no Lion

Se essa categoria é só uma categoria inventada para falar sobre a importância da ambientação? Mais ou menos. Muitos anime se preocupam em criar cenários bonitos para ambientar bem uma história. Flying Witch, Amanchu, Love Live Sunshine e Udon no Kuni são alguns exemplos de anime com um cuidado visível para representação de suas cidades de campo/praia, para ajudar a criar o clima de beleza natural do anime e dar um tom de city boy/girl encontrando a cidade pequena. Outros anime como Shuumatsu no Izetta, com cenários europeus históricos, e Show by Rock, com uma temática urbana extraterrestre, utilizam disso muito bem também para seus próprios fins.Mas ficarei com Sangatsu nessa. A travessia da ponte entre o apartamento à beira de um rio de Rei e o bairro simples, mas aconchegante, da família Kawamoto dá o tom da história de um garoto buscando algum lugar para chamar de lar. Ponto para a Shaft.


MELHOR ANIME DO ANO
FLIP FLAPPERS

O meu fica para o final porque acho que FliFla merece fechar a minha lista. Animação criativa e colorida, uma história empolgante que sempre foi uma caixinha de surpresas, um feeling meio Ikuhara, personagens carismáticos.Flip Flappers é um anime DIVERTIDO. É possível sentir a empolgação do staff com a série, o carinho com que Yunico Ayana (composição da série), Kiyotaka Oshiyama (diretor) e Takashi Kojima (diretor de animação), entre outros tiveram com a produção desse anime. Sair da concha e encarar a magia do mundo, FliFla conseguiu mais do que qualquer outro anime desse ano não apenas me dizer sua mensagem, mas me fazer senti-la. Se eu amo essa mídia é pela liberdade e sua forma única de contar histórias e este foi o anime que mais bem representou isso em 2016.


MENÇÕES HONROSAS

MELHOR ANIME QUE TODOS NÓS GOSTAMOS (E RECOMENDAMOS) MAS NÃO PENSAMOS NUMA CATEGORIA PARA COLOCAR
Amanchu!


ANIMES QUE O YUUICHI NAKAMURA FAZ UM PAI OU UMA FIGURA PATERNA
Udon no Kuni no Kiniro Kemari & Amaama to Inazuma

Só achei uma coincidência curiosa.


ANIME QUE NEM A VERSÃO BLURAY SALVA MAS QUE FAZ PARECER UM ANIME
Berserk (2016)


ANIME QUE SÓ AQUELE SEU COLEGA DE CLASSE VIU E CONSIDERA O MELHOR
Orange


ANIME MAIS BEM DIRIGIDO DO ANO QUE É DESPERDIÇADO PELO ROTEIRO RUIM
Occultic;Nine


E que os personagens falam como narradores de futebol.


MELHOR FILME DO MAKOTO SHINKAI QUE NINGUÉM VIU AINDA E NEM ELE QUER QUE VEJAM
Kimi no Na wa.

“Por favor, não assistam meu filme” (Makoto Shinkai)


SÉRIE EM QUE UM PERSONAGEM MORRE E TEM A CHANCE DE RECOMEÇAR EM OUTRO MUNDO
Reincarnated Into a Vending Machine

Junk Box
Blog sobre cultura pop que às vezes rola uns posts.

Deixe um comentário

1 Comentário em "2016 IN A BOX: OS MELHORES (E PIORES) ANIMES DO ANO"

Notify of
avatar
Sort by:   newest | oldest | most voted
lucina
Visitante

Eu gostei muito do que saiu em 2016 <33

Embora meu favorito talvez seja Amanchu (um pouco de bias também por eu amar tanto Aria), Flip Flappers realmente é o que me faz pensar "é por isso que eu acompanho essa mídia". Sem contar Yuri on Ice, Izetta e New Game!.

E nossa, sim, a transformação Ruby em Mahoutsukai é tão boa…. Nunca algo que pudesse ser tão bem descrito por "fogo" e "paixão" deixou meus olhos tão estáticos quanto ao vê-la.

Ótima leitura! Obrigada, gente.

wpDiscuz